Nuno Baltazar: «O dia das filmagens foi um dia mais difícil, porque falta a adrenalina e a confusão dos bastidores»

O microfone que protagonizou o desfile de Nuno Baltazar tinha um propósito. Todas as modelos que dele se aproximaram disseram: ‘Devias estar aqui rente aos meus lábios’. Uma frase do poeta Eugénio de Andrade, que não se ouviu no vídeo, mas que foi dita. Foi sobre esta e outras tantas coisas, que são impercetíveis numa coleção, que falámos com Nuno Baltazar.

«O que eu queria inicialmente era fazer uma curta-metragem, era esse objetivo, mas tinha noção de que seria praticamente inviável filmar em tão pouco tempo. Então percebi que era bom fazer o processo ao contrário: primeiro imaginei o que seria a curta-metragem e depois recuei na ideia para perceber qual fase seria possível apresentar na ModaLisboa. O que fiz foi a simulação do que seria um casting para essa curta-metragem», conta Nuno Baltazar.

Há muito tempo que o designer queria apresentar num formato diferente de um desfile, e este vídeo permitiu uma apresentação um pouco mais performativa. O vídeo começa com imagens de bastidores, onde se veem os ensaios para a audição. Em frente ao microfone todas as modelos dizem a mesma frase, mas tiveram total liberdade interpretativa. Nuno Baltazar observa de longe e esse momento também está lá.

O tempo para preparar e gravar resumiu-se à mesma dupla de pares de horas, que está reservada a um desfile, mas foi diferente. «O dia das filmagens foi um dia mais difícil, porque falta a adrenalina e a confusão dos bastidores», revela o designer. «A apresentação do filme foi fantástica, eu gostei imenso desta possibilidade, que não substitui um desfile. São coisas diferentes e espero ter oportunidade de explorar as duas, porque são muito interessantes», acrescenta.

Quando se aproxima do microfone Sónia Balacó vai vestida de noiva, o vestido que leva é, na verdade, é redesenho de uma criação antiga de Nuno Baltazar. Tal como aconteceu na coleção passada, também nesta Nuno revisitou criações de outros tempos transformando-as em algo diferente.

«O que me leva a voltar a estas peças, ou a tecidos que já tenha usado noutras coleções, é o facto destas fazerem parte do meu universo criativo e da minha memória, e eu não querer que elas fiquem esquecidas. Até porque a minha maturidade face aquela peça, anos depois, faz-me ter uma abordagem completamente diferente», reflete.

Veja a entrevista completa no vídeo, em cima, ou no Instagram.

Fotografias de desfile: © ModaLisboa | Photo: Ugo Camera / Fotografia de destaque: © ModaLisboa | Photo: Gonçalo Silva

Leave a Reply

%d bloggers like this: